SINATRA FAZ 100 ANOS UMA PAIXÃO PARA VIDA TODA

Postado dia 12 de dezembro de 2015, em No Gramofone

 

   Frank Sinatra (1915-1998) completaria hoje cem anos. Por questões de idade faço parte da geração que começou a ouvi-lo tardiamente, comecei nas aulas de inglês, porque sua voz era tão límpida, sua dicção tão perfeita, seu timbre tão melodioso, que depois disso escuto Sinatra quase todos os dias, como se fosse um cantor da minha geração, como se eu tivesse ido ao cinema ver os seus filmes ou assistido os seus shows.

   Gosto de suas músicas desde o início da carreira ainda como “croner” da orquestra de Tommy Dorsey. Nunca mais deixei de ouvir I Get a Kick Out of You, I’ve Got You Under My Skin, Bad, Bad Leroy Brown, Angel Skin, Moon River, You Are the Sunshine, My Kind of Town, The House I Live In, e as indefectíveis My Way e New York New York. Foi uma educação sentimental cultivada nos últimos quinze anos e uma paixão que nunca mais arrefeceu.

   A voz é única em clareza de fraseado, fôlego e ritmo de locução. Sua música é imortal, jamais tendo se perdido no mundo virtual. Sua imagem era sempre impecável, trajando paletó e gravata e chapéu quando era moda, parecia sempre recém saído do banho, barba feita, Jack Daniel’s a mão. Pronto para encantar e levar alegria típica dos grandes músicos a quem se permitisse ouvir. Ele era também um bom ator e participou de mais de 60 filmes.

    Sinatra hoje é acessível a um toque do seu celular. Sua vasta discografia é mais acessível do que nunca seu filmes também e as últimas biografias sobre sua vida. Mas se você mais do que celebrar os 100 anos da “Grande Voz” quer  viver bem,  ouça Songs for Swingin,  sozinho ou com sua companhia preferida, coroado por uma taça de vinho que  terá uma festa sem sair de casa. Dizem que “Sinatra com resfriado é Picasso sem tinta, Ferrari sem combustível”. Privar-se disso é renunciar ao bem viver.

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 12 de dezembro de 2015, em No Gramofone

RITA LEE UMA AUTOBIOGRAFIA

Sou uma leitora assídua de biografias e fã da Rita Lee, ler seu texto foi daqueles livros que se faz quase sem respirar. Parece que ler a história da vida de músico tem um to[...]

LEIA MAIS
Postado dia 12 de dezembro de 2015, em No Gramofone

ESTÁ TOCANDO NA MINHA PLAYLIST

 

       Nat King Cole- nunca vi ninguém com tamanha classe. A imagem que tenho dele é vestido de branco ao p[...]

LEIA MAIS
Postado dia 12 de dezembro de 2015, em No Gramofone

CHEGA DE SAUDADE: A HISTÓRIA E AS HISTÓRIAS DA BOSSA NOVA

 

      A História e as Histórias da Bossa Nova (1990) do jornalista Ruy Castro, é um livro agradável.  Seu rel[...]

LEIA MAIS
Postado dia 12 de dezembro de 2015, em No Gramofone

BOWIE NOS LEVA AO FUTURO

 

    Coincidentemente uma[...]

LEIA MAIS