AS MELHORES MÚSICAS DE CINEMA

Postado dia 09 de janeiro de 2014, em No Gramofone

 

            Ao longo da nossa história várias formas de arte incorporaram a música como elemento de expressão. Tirando partido do seu poder de sugestão, compositores procuraram, durante séculos, evocar ou simbolizar elementos da natureza. A música esteve presente em vários momentos da história, no teatro das feiras, das marionetes, no circo, na ópera, no balé, acompanhando a lanterna mágica e o melodrama. No cabaré e em inúmeras manifestações artísticas que tiraram partido do seu poder de sugestão e do seu potencial narrativo.

 

            No cinema a música sempre acompanhou o seu percurso, durante o período do cinema mudo, no início do século XX, era essencial para o acompanhamento dos filmes, o que muitas vezes era feito ao vivo pro músicos dentro das salas de cinema. Mesmo após o cinema falado, ela continuou a ser imprescindível para a composição de uma cena. Acho que o mundo é todo ritmo e é possível ao som corresponder ao mesmo tempo, o mundo objetivo e a percepção do homem desse mundo.

 

            Quando elaborei essa lista queria que fosse pequena e o principal critério para a escolha foram as minhas preferências pessoais e a influência delas na definição de novas escolhas musicais, são músicas que trazem encanto e magia misturado as cenas de cinema, vejo e revejo inúmeras vezes, sempre com o espanto de uma nova descoberta. A imagem pode reter o tempo, mas o som segue o ritmo variável das percepções do homem.

 

Singing and Rain (Cantando na Chuva)- Gene Kelly cantando e dançando essa música não tem preço, é o tipo de som capaz de causar a sensação de que tudo vai dá certo, que a vida é um grande sol que brilha e ilumina a alma. O amor aqui, é o maior passaporte para a felicidade. Cena inesquecível e memorável.

 

Over the Raibow (O Mágico de Oz)- para mim a melhor parte do filme é a interpretação de Judy Garland, interpretando essa canção, quando vejo essa cena penso num mundo imaginário, onde tudo que for sonhado será possível. Música triste e sentida, mas carregada de esperanças.

 

Flashdance…what a Feeling (Flashdance)- adoro essa música contagiante lembro que quando era criança em fins dos anos 1980, esse filme era presença garantida nas minhas tardes, dava vontade de dançar e de procurar ambientes descontraídos, música alegre que me remete ao melhor da infância.

 

As time Goes By (Casablanca)- Gosto de tudo nessa música, a escrita doce, os acordes, e as mudanças de execução de acordo com o enredo do filme. Para mim é tema de qualquer romance, assim como no filme, a música é capaz de emoldurar as mais doces lembranças.

 

Mrs. Robinson (A Primeira noite de um homem)- além de ser a cara da melhor comédia romântica de todos os tempos, essa música acompanha o dinamismo do filme. A música tem uma pegada folk que amo, é daquelas músicas atemporais que quanto mais se escuta, mais é possível gostar.

 

Moon River (Bonequinha de Luxo)- Uma das minhas cenas preferidas do filme é Hepburn na janela do seu apartamento, cantando e tocando essa música, confesso que quando vi a primeira vez fiquei surpresa. A música já foi composta pensando nas limitações vocais da atriz, seu jeito despretensioso de cantar me encantam sempre que vejo.

 

Cheeck to Cheeck (O Picolino)- Essa música foi engraçado, conheci a interpretação de Sinatra e já gostava, quando vi Fred Astaire cantando e dançando para Ginger Rogers entendi o quanto que a música poderia ficar muito melhor, sem sombra de dúvidas uma das melhores cenas do cinema de todos os tempos, expressando o melhor dos musicais e o encanto de toda uma época.

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 09 de janeiro de 2014, em No Gramofone

RITA LEE UMA AUTOBIOGRAFIA

Sou uma leitora assídua de biografias e fã da Rita Lee, ler seu texto foi daqueles livros que se faz quase sem respirar. Parece que ler a história da vida de músico tem um to[...]

LEIA MAIS
Postado dia 09 de janeiro de 2014, em No Gramofone

ESTÁ TOCANDO NA MINHA PLAYLIST

 

       Nat King Cole- nunca vi ninguém com tamanha classe. A imagem que tenho dele é vestido de branco ao p[...]

LEIA MAIS
Postado dia 09 de janeiro de 2014, em No Gramofone

CHEGA DE SAUDADE: A HISTÓRIA E AS HISTÓRIAS DA BOSSA NOVA

 

      A História e as Histórias da Bossa Nova (1990) do jornalista Ruy Castro, é um livro agradável.  Seu rel[...]

LEIA MAIS
Postado dia 09 de janeiro de 2014, em No Gramofone

BOWIE NOS LEVA AO FUTURO

 

    Coincidentemente uma[...]

LEIA MAIS