O MUNDO DAS REDES SOCIAIS

Postado dia 17 de janeiro de 2013, em Natureza e Sociedade

            Lendo a minha revista semanal me deparei com uma matéria falando de um índice que mede a popularidade das pessoas com base nas redes sociais e fiquei pensando que mundo é esse que estamos vivendo?  Conheci o conceito de rede social  com Manuel Castell na Trilogia Sociedade em Rede, no início dos anos 2000, com o querido professor Edmilson Lopes Junior, mas, materialmente rede social se popularizou tanto que digo sem medo de errar, que determina boa parte dos padrões de relacionamentos na contemporaneidade.



            Esse índice a que me refiro é chamado de Klout e é calculado a partir de uma base de variáveis incluindo o número de seguidores no Twitter, a frequência de atualizações, o número de recomendações e amigos. Esse índice teria influências na “reputação” do usuário nas redes sociais e estaria sendo usado até pelo mercado corporativo.


            Isso me deixa pensando o que é preciso para se ter alta popularidade nas redes sociais? Fazendo um passeio pelo perfis mais populares, ou seja, aqueles que possuem maior número de amigos ou seguidores, cheguei a algumas conclusões: é necessário frequentar com assiduidade as redes sociais, tempo e energia são fundamentais; deve-se indicar moda, restaurantes e aforismos filosóficos, mesmo que sejam vazios de significado; é preciso também que os registros fotográficos do cotidiano sejam reproduzidos e curtidos pelo maior número de pessoas.


             E o que é preciso para manter essa influência? É preciso acima de tudo que o usuário, nunca se ausente do mundo das redes sociais por mais de uma semana, porque com o decurso do tempo, já vai está desatualizado e aquela legião de amigos/seguidores migrarão automaticamente para outro perfil.


            Fico pensando nessa contemporaneidade, cada vez mais obcecada pela aparência, e o que apresentam nas redes sociais pode significar um componente para alimentar a estratificação social, e o comportamento exacerbadamente ansioso que tristemente marca o nosso tempo, onde todos seguem mansamente a marcha da manada. 

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 17 de janeiro de 2013, em Natureza e Sociedade

EMANUEL MACRON NOS BASTIDORES DA VITÓRIA

Vi, mas uma excelente produção da Netflix, Macron nos bastidores da Vitória (2017) que segue a trajet[...]

LEIA MAIS
Postado dia 17 de janeiro de 2013, em Natureza e Sociedade

O TENETISMO NUMA NARRATIVA ELETRIZANTE

 

    Tenentes (2016) é um livro do jornalista Pedro Dória que se valeu de um acontecimento meio obscuro na história do Brasil (O Tenentismo) para escrever um texto e[...]

LEIA MAIS
Postado dia 17 de janeiro de 2013, em Natureza e Sociedade

VIVEMOS NUM MUNDO LÍQUIDO

No início desse ano morreu Zigmund Bauman, filósofo polonês que definiu o nosso mundo contemporâneo como sendo “líquido”, mas o que formaria esse conceito e esses n[...]

LEIA MAIS
Postado dia 17 de janeiro de 2013, em Natureza e Sociedade

AFINAL DE CONTAS O QUE É FEMINISMO?

 

    A história das mulheres é uma história de esquecimentos, já que o mundo sempre foi explicado pelos homens. O feminismo nos [...]

LEIA MAIS