NIETZCHE, RELIGIOSIDADE E ENTORPECIMENTO

Postado dia 10 de abril de 2013, em Natureza e Sociedade


            Quando era aluna no Mestrado me divertia vendo um programa que passava na TV Cultura chamado Café Filosófico, através deste discuti um pouco mais sobre a filosofia de Nietzsche, suas indagações sobre o mundo e sobre a vida. Para ele o mundo é a única parte da realidade que é impossível de ser rejeitada. Suas indagações se fundamentam na crítica aos valores morais da sociedade que lhe é contemporânea. Ele acredita que os fundamentos da sociedade derivam de civilizações já inexistentes como a grega e a judaica.


            Um fato interessante é que para ele esses valores não teriam origem divina, mas na vontade de poder de cada um, embora reconhecesse que o homem necessita de valores religiosos, para enfrentar as dificuldades da vida, valores esses que originariam uma espécie de entorpecimento frente ao mundo real, ou seja, para se viver é preciso o entorpecimento seja ele religioso, ou etílico capaz de aliviar a dureza da vida.


            O bom de Nietzsche é que ele propõe um supremo desafio ético ao colocar a possibilidade de repensar esses valores morais da sociedade. Esse desafio seria marcado pelo individualismo e pela lei do mais forte, que acredito hoje não se adequar a nossa realidade contemporânea. Mas, esse individualismo que o filósofo prega é o que mais me chama atenção em sua obra, essa filosofia da solidão, onde a tradição exige exacerbadamente do homem, que não tem mais a quem apelar, já que para ele os deuses estão mortos.


            Sua filosofia ainda é atual no sentido que vê a vida como expressão artística como um permanente campo de experimentação sem pré determinação e constantemente aberto à criação. Além da importante contribuição de introduzir na filosofia moderna os conceitos de sentido e de valor. Por tudo isso vale muito reler, pensar e discutir com base no pensamento de Nietzsche. 

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 10 de abril de 2013, em Natureza e Sociedade

EMANUEL MACRON NOS BASTIDORES DA VITÓRIA

Vi, mas uma excelente produção da Netflix, Macron nos bastidores da Vitória (2017) que segue a trajet[...]

LEIA MAIS
Postado dia 10 de abril de 2013, em Natureza e Sociedade

O TENETISMO NUMA NARRATIVA ELETRIZANTE

 

    Tenentes (2016) é um livro do jornalista Pedro Dória que se valeu de um acontecimento meio obscuro na história do Brasil (O Tenentismo) para escrever um texto e[...]

LEIA MAIS
Postado dia 10 de abril de 2013, em Natureza e Sociedade

VIVEMOS NUM MUNDO LÍQUIDO

No início desse ano morreu Zigmund Bauman, filósofo polonês que definiu o nosso mundo contemporâneo como sendo “líquido”, mas o que formaria esse conceito e esses n[...]

LEIA MAIS
Postado dia 10 de abril de 2013, em Natureza e Sociedade

AFINAL DE CONTAS O QUE É FEMINISMO?

 

    A história das mulheres é uma história de esquecimentos, já que o mundo sempre foi explicado pelos homens. O feminismo nos [...]

LEIA MAIS