FALAS, ÍCONES E ESTILOS DA MODA

Postado dia 04 de maio de 2014, em Natureza e Sociedade

            Novo e moda são termos que andam sempre juntos, isso porque, a moda com a sua natureza volátil é sempre nova. Analisando a história da moda vemos que as mesmas formas e cores reaparecem inúmeras vezes. Enumerei alguns elementos pensando na moda, suas falas, estilos e percepções, fazem parte de uma indústria que reflete o tempo em constante mutação e é, influenciado por ele. Hoje o consumo de moda é um dos segmentos mais promissores do comércio em geral, não havendo mais distinção de renda, idade, característica física, cultural ou social. Todos querem, todos podem e todos de uma forma ou de outra consomem moda.


 Coco Chanel.
Na década de 1920, Chanel simplificou as formas, reduziu o uso de enfeites, usou tecidos mais leves e linhas mais simples. Adotou as linhas quadradas do vestido. Criou para o dia, conjunto de cardigã com bolsos aplicados confortáveis e relaxados. Para a noite, Chanel criou o vestido preto básico, segundo ela uma peca tão chique quanto a sua simplicidade. O lançamento do perfume Chanel nº 5 em 1921, sintetizou sua simplicidade de luxo e ativou a maquina de criar marcas.


Christian Dior.
Christian Dior foi o grande costureiro dos anos 1950, seu New Look restabeleceu Paris como capital da moda e salvou a importante indústria da alta costura. Suas coleções recebiam nomes e tinham um toque de uma volta ao feminismo com o uso do espartilho e a acentuação da cintura. Era a cura de um mundo cansado pelo minimalismo imposto pela Guerra, o retorno a silhueta de saia longa e cheia. A feminilidade estava em alta e com ela a disseminação de mais um ícone da moda.


 O vestido preto básico.
Nos anos 1950, o vestido preto renasceu, com o estilo clássico para coquetel, dando ensejo a novas possibilidades de guarda roupa. A ideia era a mulher aparecer em um simples tubinho preto, usando diamantes com um Martini nas mãos. O vestido preto era o contraste dos tailleurs ou dos vestidos estampados usados durante o dia. A simplicidade do pretinho era o pano de fundo ideal para acessórios da época como o chapéu.


   O blue jeans
Ícone dos anos 1950, conquistou a imaginação dos adolescentes, calças e jaquetas de brim tornaram-se o uniforme dos jovens. Trata-se de um tecido resistente surgido de Nimes, cidade francesa, que era urdido com uma trama azul, traje do operário europeu. A maior referência são as peças fabricadas pela Levis, antes de 1971 e a grande figura que imortalizou seu uso foi o jovem James Dean representando os rebeldes sem causa no cinema e influenciando toda uma geração.


 As Super modelos (anos 1990).
Nos anos 1990, quando o desfile das passarelas alcançou o mesmo nível de combustão de um desfile de rock, a moda foi assimilada à cultura popular. Um grupo de modelos que passou a representar a fantasia glamorosa encarnada (as supermodelos) foi promovido por suas agências como personalidades e remunerado com valores nunca imaginados. O fenômeno centrou-se em torno de Linda Evangelista, Cindy Crawford, Claudia Schiffer e Noemi Campbell. Seu poder de venda era tal que elas eram requisitadas para endossar produtos como celebridades, apareciam em calendários como pinups e em filmes, livros, TV e vídeos sobre boa forma.


 A exposição do logotipo.
Perto do fim do século XX, a fixação de marcas tornou-se um exercício de extrema importância na moda, e auxiliado pelo estilo do hip hop, a ostentação passou a ser aprovada. Há uma tendência crescente e colecionável a logomania, com o uso de joias chamativas de ouro e diamantes. Passou-se a usar o logotipo para reafirmar o status da marca.


 As bolsas desejadas (it bags).
Nada definiu mais uma temporada de moda na virada do século XXI do que a bolsa do momento. Chamada de it bag por ser fotografada e vista no braço de todas as celebridades, significa não só o status atingido pelo preço, mas também que quem a usava estava por dentro da moda. A Birkin da Hermès foi criada em 1984, é feita a mão por artesãos tradicionais, custa aproximadamente 10 mil reais. O desejo de possuir bolsas de grifes é uma obsessão momentânea da maioria das mulheres, outras marcas são famosas e copiadas para quem não possui o calibre financeiro de compra-las como: Louis Vitton, Gucci, Prada, entre outras.

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 04 de maio de 2014, em Natureza e Sociedade

EMANUEL MACRON NOS BASTIDORES DA VITÓRIA

Vi, mas uma excelente produção da Netflix, Macron nos bastidores da Vitória (2017) que segue a trajet[...]

LEIA MAIS
Postado dia 04 de maio de 2014, em Natureza e Sociedade

O TENETISMO NUMA NARRATIVA ELETRIZANTE

 

    Tenentes (2016) é um livro do jornalista Pedro Dória que se valeu de um acontecimento meio obscuro na história do Brasil (O Tenentismo) para escrever um texto e[...]

LEIA MAIS
Postado dia 04 de maio de 2014, em Natureza e Sociedade

VIVEMOS NUM MUNDO LÍQUIDO

No início desse ano morreu Zigmund Bauman, filósofo polonês que definiu o nosso mundo contemporâneo como sendo “líquido”, mas o que formaria esse conceito e esses n[...]

LEIA MAIS
Postado dia 04 de maio de 2014, em Natureza e Sociedade

AFINAL DE CONTAS O QUE É FEMINISMO?

 

    A história das mulheres é uma história de esquecimentos, já que o mundo sempre foi explicado pelos homens. O feminismo nos [...]

LEIA MAIS