Natureza e Sociedade

CÂMARA CASCUDO INTÉRPRETE DO BRASIL

O potiguar Luís da Câmara cascudo (1898-1986), foi um intelectual na acepção mais profunda do que a palavra possa significar. Sua produção se deu em múltiplos gêneros da escrita (crônica, ensaio, monografia e livros de viagem) e em diferentes campos do conhecimento (história, estudos literários e etnografia, para ficar restrito aos mais marcantes). Seus estudos operam permanentemente uma mistura de conquistas que são o melhor de sua produção.


Cascudo publicou seu primeiro livro aos 23 anos, mas já escrevia em jornais desde os 16 anos. Seu trabalho de etnógrafo se misturava com o de memorialista (escritor) e com a tarefa de crítico literário. Para ele sem memória não há saber nem racional nem sensível. O estudioso da sociedade é escritor e memorialista. Considerava a poesia com rima e ritmos importantes porque ajuda na preservação da memória, apoiada na transmissão oral. Escrever sobre poesia e cultura popular tema recorrente em sua obra, é valorizar arquivos desse mundo.


O melhor de seu trabalho é que ele rouba de si por meio de literatura que ele mesmo produz esboços de memória metamorfoseadas em fragmentos de interpretações, com compreensões da história voltadas para o cotidiano numa época que não era usuais esse tipo de análise. Ele foi um pioneiro brasileiro na valorização da literatura oral e da cultura popular. Professor da UFRN, foi responsável por diferentes frentes culturais no Rio Grande do Norte (docência no Atheneu, publicações de incentivo a produção literária e musical).

Câmara Cascudo se definiu como incurável provinciano. Até era. Mais sua vida e sua obra demonstram que província e mundo não se constituem em instâncias isoladas. Ele conseguiu dialogar com os poetas orais nordestinos, mas também se manifestou na fina análise em diálogos com Dante, Cervantes, Descartes, Montaigne e tantos mais.

Comentários