QUANDO LI A MORTE DE IVAN ILICHT

Postado dia 10 de março de 2015, em Na Estante

a morte de ivan ilitch

            Existem livros que nos levam a lugares fantásticos, outros mágicos, ou outros que simplesmente nos ajudam a passar o tempo. Com A morte de Ivan Ilicht (1886) pequena novela do mundialmente famoso Liev Tostói encontramos um relato universal do viver e do morrer na acepção mais dura da condição humana. Ivan é o tipo de pessoa que viveu uma vida como lhe disseram que tinha que ser vivida: formou-se em direito, progrediu em cargos públicos por indicação, casou com uma mulher do seu meio social, comprou uma casa e teve filhos que serão educados no mesmo formato. Quando ele leva um escorregão e passa a sentir dores não dá muita importância, imaginando ser um acidente comum, mas seria o início do seu fim.

the-garden-terrace-by-caspar-david-friedrich-thumb

            De cara com a morte iminente, Ivan tem que se confrontar com sua própria fragilidade. Sua reflexão é global parece com a de todos nós a morte que antes parecia tão distante agora é próxima, o que fazer com aquele fato que sempre acontece aos outros e não a nós? Ao encarar a própria fragilidade o que antes parecia certo, passa a caminhar no terreno da dúvida do imprevisível: estudos, família, trabalho, posição social e até mesmo o papel de parede da sala de estar.

tolstoy-large

            Conheci Tostói na faculdade e a cada obra sua que leio reafirmo o pensamento comum em coloca-lo como um dos maiores da literatura universal. Em uma novela curta ele coloca de modo inquietante todas as dúvidas e fragilidades de nossa existência. O principal questionamento que o livro me trouxe foi: que valores eu sigo? Quando eles serão colocados na balança do tempo e no compasso da vida? A leitura desse texto é tão densa que me senti entrando dentro de mim cercada de perguntas que não tem respostas fáceis, mas que precisam ser discutidas. Leitura indispensável, uma das mais profundas que fiz, obra de arte em frases e palavras.

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 10 de março de 2015, em Na Estante

O CASAMENTO DE NELSON RODRIGUES

 

Recebi o romance O Casamento (1966) de Nelson Rodrigues no primeiro mês em que fiz assinatura de um clube de leituras, acostumada as suas crônicas estranhei [...]

LEIA MAIS
Postado dia 10 de março de 2015, em Na Estante

A POESIA VIRA VIAGEM EM JOÃO CABRAL

 

A Literatura como Turismo (2016) de João Cabral de Melo Neto (1920-1999) nos lembra que o escritor é mais cultuado do que lido. Sua atividade literária f[...]

LEIA MAIS
Postado dia 10 de março de 2015, em Na Estante

UMA GARÇA NO ASFALTO DE CLAUDER ARCANJO

 

O mundo dos livros tem seus mistérios e um dos que mais gosto é encontrar pessoas que compreendam o meu amor pelas letras, isso não tem preço. Numa manhã de sábad[...]

LEIA MAIS
Postado dia 10 de março de 2015, em Na Estante

DESCOBRINDO O MUNDO COM CLARICE LISPECTOR

 

     Clarice Lispector é um mistério para todos os que se aventuram a entrar em seu mundo. Li “Todos os Cantos”, volume com as [...]

LEIA MAIS