OS LIVROS MAIS IMPORTANTES DA LITERATURA BRASILEIRA

Postado dia 01 de novembro de 2013, em Na Estante


            Os critérios de definição que usei para a elaboração dessa lista, seguem a influência que cada obra exerceu na minha formação intelectual. A leitura de cada uma dessas obras foi para mim a descoberta de um mundo novo, que me proporcionou uma interpretação mais acurada dos fatos e da realidade que me cerca. Além do que a leitura é minha melhor companhia e meu prazer habitual na construção do meu mundo íntimo, dos meus valores do conhecimento que tenho do mundo. Digo sem dúvidas de está exagerando o meu mundo sempre foi e sempre será carregado de livros, indiscutivelmente eles fazem parte da minha vida e são responsáveis por criar familiaridade com a escrita. Foram com eles que ultrapassei fronteiras e faço a cada dia, viagens sem fim que o tempo não é capaz de apagar.


Terras dos Sem Fim (1943)- Jorge Amado. Esse livro é o mais importante, porque é o primeiro livro que li, após sair da fase da literatura infanto-juvenil, lembro que me orgulhava de ver o tamanho do volume e de narrar a história para quem quisesse ouvir. O romance tem um caráter épico e narra a disputa entre proprietários rurais entre as terras devolutas no sul da Bahia. É a denúncia do patriarcalismo, do clientelismo, da violência do sertão, que se baseia na lei do mais forte e na demonstração de poder. Mostra a exploração do trabalhador vítima dos coronéis das terras do cacau. Um grande livro, que consegue passar a mensagem que propõem sem um tom panfletário.


Morte e Vida Severina (1955)- João Cabral de Melo Neto. Esse livro marcou de uma forma a minha vida que até hoje sei de cor os versos (..) o meu nome é Severino não tenho outro de pia, como a muitos Severinos que é santo de Romaria deram então de me chamar Severino de Maria… é a crônica metafórica do sertanejo nordestino que sai do sertão em busca de outra cidade, acreditando, que  lá a vida seria mais fácil. Nessa viagem o retirante, encontra irmãos sertanejos mortos, rezadeiras, e denuncias contra mandantes do crime e da impunidade. Durante toda a sua viagem só encontra mortes, e percebe que estava enganado na busca de uma vida mais longa, que procurava fugindo da velhice antecipada do sertão. Ao chegar em Recife seu destino, ele percebe que não sabe responder muito sobre a vida, mas apenas vive-la. 



 O Cortiço (1890) – Aluízio Azevedo. É daqueles livros que lhe levam para viajar diretamente aos cenários narrados. Narrado em terceira pessoa, influenciado por forte matriz naturalista, a obra, mostra um mundo fatalista onde as camadas populares são condenadas ao meio social que habita. O cenário é descrito com tanta precisão que chega a se imaginar o cheiro do cortiço e a sensualidade de Rita Baiana.  O romance possui um viés sociológico, com uma história envolvente de uma moradia coletiva no segundo Império. O que mais me impressiona é a capacidade de reprodução visual do ator, já que lendo o livro temos a impressão de está vendo um filme.



Laços de Família (1960)- Clarice Lispector. O que dizer de Clarice? Que ao ler os seus textos estamos diante da mais genuína arte literária. A obra é dividida em contos que expressam de forma intencional, alguns fenômenos originados do círculo de uma família. O livro como um todo mostra como as formas de vida estereotipadas são repetidas de geração a geração. Aqui é dissecada a classe média carioca, mostrando os laços de convenções e interesses que constroem a precária união familiar.




Memórias Póstumas de Brás Cubas (1880)- Machado de Assis. Esse é o meu livro preferido de Machado, pela reconstrução dos hábitos da sociedade do Segundo Império, pelo o que reduz o homem, a buscar um sentido para a sua existência. Cubas viveu cercado por futilidades sociais, instabilidade emocional e desprezo pelos outros. Quando morto é capaz de expor seus próprios defeitos. A sociedade é traçada como um lugar entre a aparência e a essência, onde as pessoas, interpretam papéis e fingem ser o que realmente não são, mesmo sem conhecer as profundezas da alma, Cubas, reconhece a miséria moral da humanidade. Daí, resulta a atualidade incontestável dessa obra.


Agosto (1990)- Rubem Fonseca. Conheci primeiro a minissérie da TV Globo baseado na obra, depois conheci o livro. A história é construída entre realidade e ficção, o pano de fundo são os acontecimentos políticos, que desencadearam agosto de 1954, que culminaram com o suicídio de Getúlio Vargas. Por outro lado, apresenta o personagem central comissário Matos, que é totalmente fictício. O interessante é a imparcialidade do autor, que não tece comentários sobre os acontecimentos, ele apenas os narra. A obra reflete as ganancias humanas e a obsessão pelo poder.


Capitães de Areia (1937)- Jorge Amado. Esse livro conheci o início da vida adulta de leitora, e fiquei impressionada porque pela primeira vez, vi a questão dos meninos de rua ser tratada sob a perspectiva social e não como questão policial, nisso Jorge Amado foi pioneiro. O texto trata da vida de meninos de rua, que vivem num armazém abandonado e praticam pequenos furtos em Salvador. O curioso é que Amado vê os personagens como marginalizados, vítimas da injustiça da sociedade, apesar da analogia entre a aventura e condição social dos personagens, o texto todo é muito realista e por isso vale a pena ler.


Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 01 de novembro de 2013, em Na Estante

O CASAMENTO DE NELSON RODRIGUES

 

Recebi o romance O Casamento (1966) de Nelson Rodrigues no primeiro mês em que fiz assinatura de um clube de leituras, acostumada as suas crônicas estranhei [...]

LEIA MAIS
Postado dia 01 de novembro de 2013, em Na Estante

A POESIA VIRA VIAGEM EM JOÃO CABRAL

 

A Literatura como Turismo (2016) de João Cabral de Melo Neto (1920-1999) nos lembra que o escritor é mais cultuado do que lido. Sua atividade literária f[...]

LEIA MAIS
Postado dia 01 de novembro de 2013, em Na Estante

UMA GARÇA NO ASFALTO DE CLAUDER ARCANJO

 

O mundo dos livros tem seus mistérios e um dos que mais gosto é encontrar pessoas que compreendam o meu amor pelas letras, isso não tem preço. Numa manhã de sábad[...]

LEIA MAIS
Postado dia 01 de novembro de 2013, em Na Estante

DESCOBRINDO O MUNDO COM CLARICE LISPECTOR

 

     Clarice Lispector é um mistério para todos os que se aventuram a entrar em seu mundo. Li “Todos os Cantos”, volume com as [...]

LEIA MAIS