Na Estante

A OBSCENA SENHORA D: UM MERGULHO NO MUNDO DE HILDA HIST

 

         A Obscena Senhora D (1982) de Hilda Hist, foi o primeiro livro foi que li da autora, um texto revelador de todo o rico universo hisltiano. O relato é vivo e recorrente situado entre a experiência amorosa variando entre o terno e o pornográfico. Cada linha provoca uma inquietação metafísica capaz de nos deslocar do lugar comum da zona de conforto. É um texto capaz de abolir hierarquias, tipologias, ácido, cortante e pungente.

1960s 2 WOMEN SIT UNDER...

         Hillé a narradora, nos mostra logo de início seu desamparo do mundo, mostrando que sempre estamos despreparados para a vida, ancorados por nossa eterna incompletude. Sua angústia manifesta o nada, e nos sacode quando ela descreve a realização dos atos mais prosaicos e inusitados, como a prática de uma relação sexual. A reflexão é compulsiva, inquietante, ouso em dizer que é o tipo de leitura que não se faz sem uma certa dose de coragem.

Woman at party, holding glass of wine

         A linguagem pesada, obscena vai além da mera transgressão, é colérica, furiosa, autêntica. Hillé busca a si mesma, sem identidades ou referências, mostrando que nenhum ser humano será capaz de lhe decifrar além de si mesma. Para se libertar é preciso desprender-se. O intelectualismo de Hilda Hist é filosófico, ontológico, psicanalítico, refinado. Não aquieta, suscita reflexões profundas, mas como tudo aquilo que vai até o fundo dói um pouco, para depois florescer.

Comentários