Na Estante

O EXISTENCIALISMO DE SARTE EM O Ser e o Nada

 

            Comprei o Ser e o Nada de Sartre quando entrei na faculdade de filosofia queria me inteirar do que se tratava e finalmente entender o que era existencialismo. O livro foi lançado em 1943 em plena Segunda Guerra Mundial, é volumoso, e sua leitura, pelo menos para mim, é densa e difícil, mas, ao final é fundamental para entendimento desse posicionamento filosófico. O existencialismo parte do principio de que a liberdade humana é a essência de todas as coisas, o homem seria capaz de se fazer a si mesmo a partir de suas escolhas.

 

 

            O livro se inicia tratando sobre a consciência humana afirmando que esta é relacionada a algo exterior a ela própria. O homem é o grande elemento central de sua obra, e para ele, é esse homem que é capaz de modificar as coisas, já que a existência precede a essência, e é aí que reside a liberdade da natureza humana. Os outros seres são predeterminados, o homem é livre, então o homem nada mais é do que aquilo que ele faz de si  mesmo. Sendo assim, o próprio homem decide o seu caminho, se decidir ser herói ou covarde ele é o único responsável por esse ato praticado.

 

 

            Sartre defende a acusação de que o existencialismo seria pessimista afirmando que seria uma doutrina otimista, pois nela está inserida o destino do homem. O homem existe, se descobre, aparece no mundo, só depois ele se define, sendo assim, o único fundamento de ser é a liberdade. O homem escolhe os seus projetos usando de sua liberdade e os seus valores, esses valores serão criados a partir das escolhas por ele feita, de onde não tem como fugir.

 

 

Essa liberdade é diferente da liberdade do humanismo que está relacionada a livre arbítrio, fazer ou não fazer, a liberdade sartreana é a capacidade do sujeito encaminhar o que será de sua vida responsabilizando-o pelos seus atos. A liberdade do existencialismo apresenta limitações impostas pela sociedade e suas regras as quais devemos nos submeter e é devido a essa submissão que as vezes o homem entra em conflito com o meio social em que vive.

 

 

Ao colocar o homem como responsável por sua existência, Sartre afirma ser um existencialista ateu, desse modo conclui que não há uma natureza humana e que não há um Deus para originá-la. Entendo que aqui o que Sartre pretende é que independente de Deus existir ou não, nada poderá livra-lo de si próprio, nem mesmo a concretude de Deus. Toda a proposta apresentada por Sartre nessa obra é muito forte, e tive a sensação de que não sabemos exatamente quem somos, falta o ser, vivemos num caminho de contentamento com nossas ações fragmentadas, ao ponto de ser quase insuficiente a criação de uma identidade definitiva e autônoma. Lendo Sartre sinto um mal estar inquietando o meu ser, capaz de provocar minha existência, e consumir ilusões e crenças de que somos sustentáculo, da identidade, do nome, do título, da profissão e tudo o mais que seja capaz de levar a esperança vazia de ser humano, de ser Deus. 

Comentários

3 Comments

Comments are closed.