O AMOR NO TEMPO DA ABOLIÇÃO DA ESCRAVIDÃO

Postado dia 08 de março de 2016, em Na Estante

 

        Um Mapa Todo Seu (2015) de Ana Maria Machado mostra uma intensa e conturbada relação de amor que tem como bastidores a luta contra a escravidão no Brasil. Joaquim Nabuco conhecido na historiografia tradicional pela luta contra o fim da escravidão, era filho de pai político e de poucas posses. Considerado um dândi, era bonitão e galanteador. Quando viu Eufrásia Teixeira Leite pela primeira vez, tinha 24 anos e a moça bonita de roupas elegantes e traços finos, era encantadora e emancipada em pleno século XIX.

        Acompanhada da irmã, a conservadora Francisca, Zizinha como era chamada, ficou órfã dos pais aos 21 anos, herdando imensa fortuna, foi capaz de driblar o domínio de tios e tutores, estabelecendo-se em Paris e multiplicar a própria fortuna num tempo em que o papel da mulher era eminentemente doméstico. Ana Maria construiu uma história com base nesses fatos, através de vasta pesquisa documental, mesclou história e ficção e escreveu Um Mapa Todo Seu.

        O mundo vivia as transformações da Revolução Industrial, e o Brasil, ainda em formação, mantinha seu sistema econômico baseado na escravidão. Joaquim Nabuco considerava inadmissível e lutava pelo seu fim. Zizinha e Quincas se conheceram no cais do Rio de Janeiro, se enamoraram no navio Chimborazo que os levaria a Paris e viveram 14 anos de uma conturbada relação. A convicção dela em não se submeter as regras machistas e a dele em manter flertes, enfraqueceram o relacionamento.

        O amor acabou no auge da campanha abolicionista que aprofundou o fosso social entre eles. Eufrásia morreu solteira em 1930, deixando todos os seus bens para a Cidade de Vassouras no Rio de Janeiro. Nabuco casou-se e teve cinco filhos, morreu em 1910 e deixou vasta obra sobre como a sociedade deveria se reestruturar depois da libertação dos escravos. Zizinha deixa o exemplo que sempre é possível trabalhar a serviço de si mesma e que casamentos e filhos não é garantia de uma vida feliz.

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 08 de março de 2016, em Na Estante

O CASAMENTO DE NELSON RODRIGUES

 

Recebi o romance O Casamento (1966) de Nelson Rodrigues no primeiro mês em que fiz assinatura de um clube de leituras, acostumada as suas crônicas estranhei [...]

LEIA MAIS
Postado dia 08 de março de 2016, em Na Estante

A POESIA VIRA VIAGEM EM JOÃO CABRAL

 

A Literatura como Turismo (2016) de João Cabral de Melo Neto (1920-1999) nos lembra que o escritor é mais cultuado do que lido. Sua atividade literária f[...]

LEIA MAIS
Postado dia 08 de março de 2016, em Na Estante

UMA GARÇA NO ASFALTO DE CLAUDER ARCANJO

 

O mundo dos livros tem seus mistérios e um dos que mais gosto é encontrar pessoas que compreendam o meu amor pelas letras, isso não tem preço. Numa manhã de sábad[...]

LEIA MAIS
Postado dia 08 de março de 2016, em Na Estante

DESCOBRINDO O MUNDO COM CLARICE LISPECTOR

 

     Clarice Lispector é um mistério para todos os que se aventuram a entrar em seu mundo. Li “Todos os Cantos”, volume com as [...]

LEIA MAIS