LEILA E CARLOTA

Postado dia 10 de janeiro de 2014, em Na Estante

            Era uma velha cansada e generosa. Cansou. Já não saia de casa e quase não escutava e pouco comia. Diminuíra, encurvara e emagrecera era um pedaço de coisa velha e branca. Os filhos contrataram um enfermeira que cozinhava e limpava a pouca sujeira que fazia.


            A enfermeira tinha quarenta anos, era calma e boa. Não posso dizer que se davam bem, porque a velha já não notava o mundo ao seu redor, fosse uns anos atrás ela não suportaria o matraquear da máquina de costura da enfermeira, agora gostava, sentia o vibrar do som e isso lhe trazia lembranças. Viagens de trens antigas, sem histórias, mas com a sensação de está no banco estofado percebendo a claridade e o mundo ao seu redor. Carlota, velha professora de piano por mais de cinquenta anos, os sons sempre foram carregados de significados e sentimentos. Por mais que se esforçara numa tinha conseguido ser amiga de pessoas com a voz muito aguda ou arrastada. Ao ouvir os sons da rua sabia com precisão a temperatura e a humidade do dia. Modulação, timbre, altura e ritmo foram os seus instrumentos para entender o mundo.


            Leila era forte e negra, todos paravam espantados com o par que passeava nas ruas nas manhãs sem chuva. Para Leila esse contraste nada significava, Carlota no braço sólido e macio de quem se apoiava sabia ser lenta e silenciosa. No quarteirão pequeno sempre as mesmas árvores floridas eram notadas e nomeadas por Carlota. Com tempo ela cansou de falar e apenas parava e olhava demoradamente para cada uma das árvores com o mesmo espanto original e nostálgico.


            Os sonos ficaram compridos e a comida cada dia mais rala. No apartamento quando não estava dormindo, Carlota sentava-se em sua poltrona em frente a janela e ficava horas vendo o vento balançar a cortina de crepe branca. Leila não sabia mas aquele crepe acompanhava Carlota a muitos anos, na casa grande, na pequena e agora no apartamento. Carlota não prestara maior atenção, não era dada a afetos, o crepe veio junto porque veio, podia servir e acabou servindo em uma janela ou outra. Agora estava meio manchado e a luz do sol passava de maneiras diferentes em cada centímetro do pano.


            Carlota imaginava o som do vento do crepe. Pensava na associação feliz entre peso e maleabilidade que o crepe possui, deixando-se estofar para depois voar arrebitado. Refletia também sobre a estrutura atual do tecido, afinal, o pano tem uma história que fazia soar de um modo pessoal e único. Encontro com o sol, o vento e a água, de quantas lavagens já sofrera para começar tudo de novo de forma bem diferente.


            Leila sabia que a velhinha estava perto do fim, aceitava mais não conseguia imaginar que ela sofria. Não havia muito o que fazer mas esse pouco ela faria. Se a audição da velha não mais existia, Leila sabia que sua visão continuava boa ao se encantar com cada nova florada e ficava imaginando como ela poderia sofrer vendo aquela cortina velha. No dia seguinte comprou com seu próprio dinheiro uma nova e levou Carlota para ver, quando foi para cozinha pegar uma bandeja com um copo de  água para os remédios da tarde, ao voltar Carlota já não mais respirava. 

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 10 de janeiro de 2014, em Na Estante

O CASAMENTO DE NELSON RODRIGUES

 

Recebi o romance O Casamento (1966) de Nelson Rodrigues no primeiro mês em que fiz assinatura de um clube de leituras, acostumada as suas crônicas estranhei [...]

LEIA MAIS
Postado dia 10 de janeiro de 2014, em Na Estante

A POESIA VIRA VIAGEM EM JOÃO CABRAL

 

A Literatura como Turismo (2016) de João Cabral de Melo Neto (1920-1999) nos lembra que o escritor é mais cultuado do que lido. Sua atividade literária f[...]

LEIA MAIS
Postado dia 10 de janeiro de 2014, em Na Estante

UMA GARÇA NO ASFALTO DE CLAUDER ARCANJO

 

O mundo dos livros tem seus mistérios e um dos que mais gosto é encontrar pessoas que compreendam o meu amor pelas letras, isso não tem preço. Numa manhã de sábad[...]

LEIA MAIS
Postado dia 10 de janeiro de 2014, em Na Estante

DESCOBRINDO O MUNDO COM CLARICE LISPECTOR

 

     Clarice Lispector é um mistério para todos os que se aventuram a entrar em seu mundo. Li “Todos os Cantos”, volume com as [...]

LEIA MAIS