FREUD E O INCONSCIENTE

Postado dia 09 de dezembro de 2013, em Na Estante

 Freud é tão importante para moldar o nosso pensamento contemporâneo que todos falam dele, seja quando falamos que uma pessoa é controladora ou permissiva, ou quando especulamos sobre o significado dos nossos sonhos. Ele era um intelectual, um excêntrico, um cientista por excelência. Tornou-se tão popular quanto a velha máxima: Freud explica. 


A história tem uma relação complexa com Sigmund Freud, ele é valorizado e desvalorizado ao mesmo tempo. Ele é idealizado e denegrido. Em 1938, durante seu último ano de vida, sua mente continuava afiada, e descobriu novos fatos importantes sobre o inconsciente, a partir de suas conversas foi desenvolvida a psicanálise, uma nova ciência. E com a psicanálise Freud abriu as portas para o inconsciente transformando para sempre a forma como vemos a mente humana.


O fim do século XIX, marcou o Fim da Era Vitoriana um período de muitas restrições em que qualquer manifestação da sexualidade humana era considerada ultrajante. Mulheres respeitáveis só iam ao médico acompanhadas. Questões pessoais nunca eram discutidas na sociedade refinada. Terapeutas profissionais não existiam e as pessoas com problemas psicológicos não tinham a quem recorrer. Pacientes com problemas mentais eram colocados em asilos onde recebiam tratamento antiquado e até bárbaro.


Foi no meio disso, que em 1886, dr. Freud começou a tratar pacientes com uma abordagem simples, porém radical. ELE ESCUTOU. Os profissionais da época só prescreviam, porém não escutavam, eles eram as autoridades e era esperado que os pacientes obedecessem. Escutar a historia de vida de um paciente foi algo totalmente novo. O objetivo de Freud foi fazer com que seus pacientes falassem sobre tudo e qualquer coisa. Em seu consultório nenhum assunto era tabu.


Seu método era tão revolucionário que invés dele entrevistar seus pacientes cara a cara ele preferia que eles deitassem em um divã de costas para ele. Pois assim, eles se sentiriam mais confortáveis para revelar seus pensamentos mais profundos. Ele introduziu a ideia de inconsciente, pois acreditava que seria nesse espaço que enterraríamos conflitos como as nossas memórias mais dolorosas, ou pensamentos considerados inaceitáveis com os quais não queremos lidar. E isso, pode tornar a vida consciente mais difícil.


Para ele, o inconsciente seria o nosso EU real, a quem só conhecemos uma pequena parte. E o que realmente nos faz é o inconsciente, nós somos movidos por desejos sexuais por exemplo, que são barrados, mas que de alguma forma afeta o nosso comportamento. O interessante é que essa noção de mente inconsciente é algo que todos têm que lidar, aceitando ou não, ela não pode ser ignorada.


Ele descobriu em áreas reprimidas da mente fantasias de incesto, de assassinatos e ódios reprimidos e introduziu uma outra forma de ver a sexualidade, suas teorias foram consideradas moralmente ofensivas. Ele uniu ideias revolucionárias, sobre sonhos, inconscientes e sexualidade em uma nova e radical teoria sobre a mente. Uma nova ciência, a psicanálise.


Na opinião popular ele passou aos nossos dias como um guru místico, alguém que oferecia verdades aos seres humanos. Nos últimos anos Freud tornou-se dependente de Ana a filha mais jovem a quem passou a analisar, ela era enfermeira, secretária e filha. Se o objetivo da paternidade é criar e depois libertar isso não aconteceu nessa relação. Em cartas que os dois trocaram fica subentendido elementos de uma relação com traços de complexo de édipo, mas, Ana tornou-se uma mulher determinada, subverteu convenções sociais e tornou-se mundialmente reconhecida.


 Por tudo isso Freud explica: O homem é dono do que cala e escravo do que fala. Quando Pedro me fala sobre Paulo, sei mais de Pedro que de Paulo…
 Sigmund Freud (1856–1939).

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 09 de dezembro de 2013, em Na Estante

O CASAMENTO DE NELSON RODRIGUES

 

Recebi o romance O Casamento (1966) de Nelson Rodrigues no primeiro mês em que fiz assinatura de um clube de leituras, acostumada as suas crônicas estranhei [...]

LEIA MAIS
Postado dia 09 de dezembro de 2013, em Na Estante

A POESIA VIRA VIAGEM EM JOÃO CABRAL

 

A Literatura como Turismo (2016) de João Cabral de Melo Neto (1920-1999) nos lembra que o escritor é mais cultuado do que lido. Sua atividade literária f[...]

LEIA MAIS
Postado dia 09 de dezembro de 2013, em Na Estante

UMA GARÇA NO ASFALTO DE CLAUDER ARCANJO

 

O mundo dos livros tem seus mistérios e um dos que mais gosto é encontrar pessoas que compreendam o meu amor pelas letras, isso não tem preço. Numa manhã de sábad[...]

LEIA MAIS
Postado dia 09 de dezembro de 2013, em Na Estante

DESCOBRINDO O MUNDO COM CLARICE LISPECTOR

 

     Clarice Lispector é um mistério para todos os que se aventuram a entrar em seu mundo. Li “Todos os Cantos”, volume com as [...]

LEIA MAIS