Na Estante

F. SCOTT-FITZGERALD E A ACLAMADA PROSA DO GRANDE GATSBY

 
F. Scott Fitzgerald, tem sido assunto do momento com O Grande Gatsby (2013) estrelado por Leonardo DiCaprio no cinema de qualidade inquestionável revisionado e colorido com a melhor tecnológia atual. Eu já tinha visto a versão de 1974 estrelada por Robert Redford e Mia Farrow, mesmo não tido sido bem aclamado pela crítica em sua época mostra-se resistente ao tempo com uma boa reconstrução histórica. Considerei Leonardo DiCaprio um Gatsby caloroso e simpatico como Redford não conseguiu ser. A versão recente é mais interessante apesar do barulho excessivo da reconstrução das festas. Nos permite imagens perfeitas e poemas visuais.


O livro que dá origem ao filme (The Great Gatsby 1925)  é de  de alta qualidade literária  que resolvi reler após ver novamente essas duas versões cinematográficas. F. Scott Fitzgerald é conhecido por sua verve literária, nos fantásticos anos 1920, sua vida em Paris para escrever, sua escrita aclamada. Mas vou logo dizendo caro leitor, se você quer se apaixonar o livro é vivo e nos últimos dias me salvou do marasmo literário. Gatsby é daquelas leituras que tem fôlego, além da capacidade de se ler somente uma vez, você pode ler várias e continuar se apaixonando.


O autor conta a história através do personagem Nick, o narrador que fala os acontecimentos muitos anos depois. É através dele que conhecemos os personagens, Dayse sua prima, o marido dela, Jordan e por vim Gatsby. Nick é o menos abastado de todos eles, os demais vivem do luxo e da opulência do dinheiro. A descrição do ambiente é incrível com luzes, roupas, gestos falas. São lições de como se ambientar uma casa, tanto do apartamento da amante de Tom, marido de Dayse quanto da casa do casal ou do hotel das cenas finais.


O suspense que o livro traz é bem mais sútil do que o filme que é mais direto, quem é Joy Gatsby? Na verdade creio que Fitzgerald estava mais preocupado em mostrar a luta dos personagens pelas suas aparências. Tenho algumas convicções e não sinto pena de Gatsby como Nick, acho que ele amava mais o que Dayse representava do que ela própria, ele queria que a riqueza o aceitasse e só seria aquilo que planejou se tivesse ela a seu lado. Tanto que pagou o preço ao não denuncia-la depois do acidente.


 

 

 

 

 

Livro incrível F. Scott Fitzgerald faz jus a fama, novelista de primeira linha. Wood Allen tem razão em sentir inveja de sua escrita. É o romance definitivo dos anos prósperos e loucos que sucederam a Primeira Guerra Mundial.  Mesmo Gatsby sendo arrogante e Dayse prepotente com vidas superficiais, através de suas personagens é possível discutir o consumismo desenfreado e a vida vazia de toda uma sociedade. Reflexo dos nossos tempos atuais. Outra coisa o livro é superior a qualquer versão cinematógrafica.

Comentários

1 Comment

  1. Campanha para doação de livros da Literatura infanto-juvenil

    Visando incentivar a leitura e ampliar o acervo da nossa Biblioteca estamos lançando a Campanha para doação de livros da Literatura infanto-juvenil.

    Uma ação do Projeto Recortes da Literatura Nordestina da EEEP Wellington Belém de Figueiredo.

    Participe desta Campanha!

    Aceite nosso desafio!

    “Encha o balde de livros!”

    É por meio desta campanha que estamos entrando em contato com alguns blogueiros. Gostaríamos de contar com vossa colaboração! Participe doando livros para nossa Biblioteca! Os colaboradores terão seus nomes divulgados em nosso Blog como incentivadores da leitura!

    EEEP Wellington Belém de Figueiredo

    Sítio Jurema CE 292 Km 02

    Zona Rural

    CEP: 63.165-000

    Nova Olinda-CE

    Link da Campanha:

    http://www.epnovaolinda.blogspot.com.br/2014/09/campanha-para-doacao-de-livros-da.html

    Att.

    Professora Lucélia Muniz.

Comments are closed.