Na Estante

A VIDA DA ESTRELA

            Esse espaço que uso no mundo virtual para escrever me remete ao que de melhor tenho lido, visto, discutido e apreendido nesses últimos anos. Quando estava concluindo a faculdade de Serviço Social um amigo me apresentou um livro, pequeno, mas de uma profundidade imensurável, trata-se da Hora da Estrela de Clarice Lispector. O livro é centrado em forma de narração, feita por uma figura masculina, na verdade, o álter ego de Clarice. Publicado pouco antes da autora falecer é feita uma descrição objetiva da vida e contestado uma série de  elementos, o que leva em ultima instancia a contestação do sentido da literatura e da própria vida. 

            Macabéa a nordestina, assim como Clarice que viveu a infância no Nordeste, é a protagonista, trata-se de uma medíocre imigrante de 19 que vive no Rio de Janeiro. Apaixona-se também por um nordestino Olímpico de Jesus e juntos vão dividir suas solidões e mediocridades. O livro é dinâmico e brutal o que faz ser lido apressadamente pela maioria das pessoas. Os personagens que desfilam em suas páginas, são feios, miseráveis, são seres totalmente dispensáveis na engrenagem da sociedade em que vivemos onde as pessoas são medidas pelas coisas que possuem. A personagem de Macabéa me causou uma profunda reflexão, pelo seu lamentável passado e seu futuro sem esperanças. Ela é descrita como alguém que vive sem ter consciência de si mesma. O clímax da obra é o encontro da protagonista com a cartomante que se compadece da sua insignificância e inventa para ela um futuro melhor do que qualquer outro que ela poderia ter. Vi em Macabéa um grito da autora para questionar, o que é realmente existir?

    Até que ponto somos imprescindíveis para a sociedade, para o mundo e para nós mesmos. Quando Macabéa se olha diante do espelho é a primeira vez que ela realmente se enxerga. Imagino quando passamos realmente a nos enxergar, a aceitar a nossa real condição na vida e no mundo. Acredito que a partir do momento em que tomamos consciência de quem realmente somos, conseguimos conviver melhor com a nossa solidão, e não exigir de nós mais do que aquilo que somos capazes de dá e de oferecer. Com Macabéa fui iniciada na obra de Clarice, do fim para o começo, e percebi que realmente a vida é um grande luxo e que viver é o maior privilégio que desfrutamos na nossa existência. Mas para enfrentar a dureza da vida é preciso sonhar e acreditar: ela acredita em anjo e, porque acreditava, eles existiam. 


Comentários