A VIDA COMO ELA É DE NELSON RODRIGUES

Postado dia 27 de outubro de 2013, em Na Estante



            Conheci Nelson Rodrigues através da série televisiva, que passava no Fantástico da TV Globo, depois tive a oportunidade de ler o livro. A Vida como ela é. A obra foi produzida no jornal Última Hora de Samuel Wainer de 1951 a 1961. São histórias que se tornaram populares, pela linguagem objetiva, fácil acesso e gírias faladas na época. Considero as histórias como atemporais, pois causam familiaridade e estranheza, característica das transgressões morais rodriguianas. Rodrigues soube combinar o lado obscuro da vida, o lado trágico da existência, com o cômico de forma extraordinária, provocando impacto nas massas.


            O que me fascina em sua obra é o que sua arte provoca, um estranhamento que vai do asco a compaixão. A Vida como Ela Éreflete diretamente a atualidade de seu tempo, pois reflete uma sociedade com desgaste e com novos paradigmas para as relações familiares e amorosas, na época foi um choque, mas revela as mazelas da sociedade contemporânea, daí resulta seu caráter atemporal.


            Acho que rotular a obra rodriguiana de somente transgressora ou machista é ser reducionista, uma vez que ele desmonta clichês e desnuda as máscaras sociais. A obra retrata um período conhecido como anos dourados, aqueles imediatamente posteriores a II Guerra Mundial, que trouxeram progresso científico, tecnológico, econômico e cultural. A Capital Federal era o Rio de Janeiro, cenário das narrativas de Nelson Rodrigues, contribuíndo para a construção de um imaginário do povo carioca.


            Vejo como ele foi ousado para os anos 1950 do século XX, seus temas giravam em torno do amor, sexo e adultério. Questionado sobre o porquê de sua obra tratar sobre sexo, Nelson Rodrigues respondeu ironicamente afirmando: “[…] ‘isso’ é amor. Há nesta pergunta um fundo de indignação que eu não devia compreender e que talvez não compreenda mesmo. Afinal de contas, por que o assunto amoroso produz esta náusea incoercível?” (RODRIGUES, 1949: 20). A vida como ela é … chegou ao final, em 1961, e, segundo Ruy Castro (1992), Nelson Rodrigues criou cerca de duas mil histórias.
Em tempos de permissividade vale a pena reler ou conhecer Nelson Rodrigues que teve a ousadia de enfrentar uma sociedade pudica, construída em comportamentos sócio moralizantes. Era uma sociedade em que poucos tinham carros e se andavam de bondes e ônibus, casais viviam com primos sobre o mesmo teto. Uma cidade que não tinha móteis e os encontros aconteciam em apartamentos emprestados por amigos, e a ameaça do pecado poderia se tornar uma obsessão. A vida sexual para se realizar exigia o vestido de noiva, a noite de núpcias e a lua de mel, assim era o mundo de Nelson Rodrigues.  

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 27 de outubro de 2013, em Na Estante

O CASAMENTO DE NELSON RODRIGUES

 

Recebi o romance O Casamento (1966) de Nelson Rodrigues no primeiro mês em que fiz assinatura de um clube de leituras, acostumada as suas crônicas estranhei [...]

LEIA MAIS
Postado dia 27 de outubro de 2013, em Na Estante

A POESIA VIRA VIAGEM EM JOÃO CABRAL

 

A Literatura como Turismo (2016) de João Cabral de Melo Neto (1920-1999) nos lembra que o escritor é mais cultuado do que lido. Sua atividade literária f[...]

LEIA MAIS
Postado dia 27 de outubro de 2013, em Na Estante

UMA GARÇA NO ASFALTO DE CLAUDER ARCANJO

 

O mundo dos livros tem seus mistérios e um dos que mais gosto é encontrar pessoas que compreendam o meu amor pelas letras, isso não tem preço. Numa manhã de sábad[...]

LEIA MAIS
Postado dia 27 de outubro de 2013, em Na Estante

DESCOBRINDO O MUNDO COM CLARICE LISPECTOR

 

     Clarice Lispector é um mistério para todos os que se aventuram a entrar em seu mundo. Li “Todos os Cantos”, volume com as [...]

LEIA MAIS