Misturas Filosoficas

VOCÊ É FELIZ?

    Em 2013 recebi o diagnóstico de câncer e com ele “meu mundo caiu” como diria Maysa na famosa canção. Como ficariam os planos? E a tal felicidade, teria implodido de vez? Não pensei muito, até porque nessas horas agir é melhor que pensar. E o incrível é que descobri que tenho uma espécie de predestinação para ser feliz. Descobri que  felicidade não está relacionada apenas a carnaval, riso frouxo, vida ganha, acho que até nas minhas infinitas horas de solidão eu estou feliz.

    Felicidade é um estado de consciência, é uma forma de você se permitir a está apto a essa condição. Felizes dos que crescem em meio as dores e aos percalços da vida. Isso traz uma conexão indescritível com o mundo, acrescida de evolução e aprendizado. Acho que infeliz é quem passa a vida em estado de inércia, seguindo o protocolo que encontrou na caixinha dos paradigmas pré determinados. Parece que tem gente que nunca sofreu uma dor relevante, aguda, que nunca se permitiu sair da zona de conforto que criou para si mesma. É a pessoa refém do seu próprio olhar crítico, que julga os outros sem nenhuma condescendência.

    Tenho certeza que nasci para reagir, para me mover, eu estou sempre procurando, seja falar francês, encontrar concentração para meditar ou aprender gastronomia. Estou sempre ligada e resolvi ampliar essa estória que felicidade é somente coisa boa, felicidade para mim é definitivamente uma coragem ampla para enfrentar a vida que quase nunca é tão boa. Nesses anos de convalescência e solidão material aprendi a celebrar coisas como o café da minha máquina, a chamada no whats up de uma amiga, a saudade que sinto de algumas pessoas de algumas situações, o sol que nasce na minha janela, as músicas francesas que escuto de forma tão solitária que me remete a um mundo que quero conhecer. Celebro os amores vividos e os que poderão vir. Assim sei que do meu jeito consigo ser feliz.

Comentários