SOBRE O RESSENTIMENTO

Postado dia 12 de maio de 2014, em Misturas Filosoficas

            Estive pensando e vi que o ressentimento como um afeto declarado é mau visto moralmente  pela sociedade. O sujeito que se mostra ressentido é tido como aquele que não vai para a frente, que é amargo e rancoroso. Ninguém gosta de ser reconhecido como ressentido, mais quando o ressentimento aparece camuflado em alguém que se sente injustiçado com uma determinada situação, ou alguém sensível, ele é visto com muita complacência, e em geral como um sinal positivo.


            O ressentimento é uma constelação afetiva composta de (mágoa, inveja, desejo de vingança, raiva), acho que é um afeto que não pode ser nomeado mais que tem um brilho narcísico qualquer. Se manifesta como uma espécie de mágoa que não se supera, e ao que parece a pessoa não quer esquecer, tem algum gosto em relembrar. O que tem que ser pensado é qual a função dessa chama que mantém viva a memória do agravo?


            A função do ressentimento parece ser (prazer em acusar, vingança embutida, preservar o narcisismo, culpar o outro) é como se a pessoa dissesse eu não fiz nada de errado, se estou nessa situação alguém me prejudicou. De modo que o ressentido interpreta qualquer falta na sua vida como um prejuízo, não é porque a falta faz parte da vida, ou porque o sujeito fez uma escolha que não deu certo, alguém o prejudicou, assim o ressentido se isenta de responsabilidades. O narcisismo do ressentido se preserva, ele não quer saber onde eventualmente errou, ele não quer responder como co- responsável desse eventual fracasso na sua vida.

            Acho que em certos termos o ressentimento está relacionado a modernidade, pois vivemos numa sociedade narcísica, em que cada um tenta responder a esse ideal de ser alguém muito especial, que foi feito para não sofrer, para ser feliz, para ser melhor que os outros. São tempos de extremo individualismo em que cada um deve se fazer por si mesmo, construir o seu destino, fazer sua vida sem depender de ninguém, o que já é uma falácia, porque nossa dependência do outro é constitucional, é parte do humano.


            O individualismo é um ideal que funda um ideologia incapaz de se cumprir, todos nós somos divididos, e a ideia de que você faz o seu destino e chega lá sem depender de ninguém é uma grande falácia. No ressentimento o sujeito preserva o ideal individualista ele acredita que pode chegar lá sozinho e se ele fracassa a culpa é do outro, alguém se atravessou no seu caminho. Para Nietzsche o ressentimento é uma vingança imaginária e adiada. Isso porque com essa queixa o ressentido acredita que o outro, a quem ele atribui a responsabilidade pelos seus males um dia sofra.
           


            Acredito que o grande mecanismo do ressentimento está que na origem, já que, houve covardia, submissão voluntária e o sujeito não quis lutar, sendo assim, a saída é a acusação do outro. A pessoa ressentida se reconhece como vítima em vez de derrotada se livrando de todas as suas responsabilidades. Ele espera que o forte deixe de ser forte e apresenta um apego inconsciente ao passado ideal do seu próprio narcisismo.

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 12 de maio de 2014, em Misturas Filosoficas

FELICIDADE OU MORTE

 

    O livro Felicidade ou Morte (2016) de Leandro Karnal e Clóvis de Barro Filho é resultado de um seminário gravado entre os dois autores. De linguagem fácil e [...]

LEIA MAIS
Postado dia 12 de maio de 2014, em Misturas Filosoficas

SOBRE BOM HUMOR

 

     Ontem conversei com uma amiga querida sobre o tempo que deveríamos ficar tristes pelas coisas da vida. Ela me disse que achava até que eu ficava pouco triste,[...]

LEIA MAIS
Postado dia 12 de maio de 2014, em Misturas Filosoficas

O MEU EU IDEAL

 

         Manter a geladeira sempre arrumada, usar pouco o celular nos fins de semana, ler menos notícia política e mais Cl[...]

LEIA MAIS
Postado dia 12 de maio de 2014, em Misturas Filosoficas

VOCÊ ESTÁ NO CONTROLE?

 

        Vendo uma dessas séries de TV que falam sobre o universo fica bem claro que o que nos distingue dos outros seres do nosso planeta é a noção do tempo e a[...]

LEIA MAIS