SOBRE A VIDA

Postado dia 08 de dezembro de 2013, em Misturas Filosoficas


A angustia de comprovar por meios racionais se existe vida após a morte acompanha a humanidade desde os seus primórdios. Imaginar que nos transformaremos em pó e que capacidades cognitivas adquiridas com tanto sacrifício se perderão irreversivelmente é a mais dolorosa das especulações existenciais, principalmente quando se vivencia uma doença grave como o câncer.


Tamanho interesse no destino posterior a morte, contrasta com a falta de curiosidade em saber de onde viemos. O que erámos antes do espermatozoide se encontrar no momento da concepção? Aceitamos com naturalidade o inexistir antes desse fato, mas temos dificuldade em admitir a volta a mesma condição do caminho.


Consideramos a vida uma dádiva da natureza, e nosso corpo uma entidade construída exclusivamente para nos trazer felicidade, atender aos nossos caprichos e nos proporcionar prazer. Essa visão egocêntrica mostra que somos seres exigentes, revoltados, queixosos, permanentemente insatisfeitos com os limites impostos pelo corpo e com as imperfeições inerentes à condição humana. Acordamos todas as manhas com a sensação de plenitude, e de funcionamento harmonioso do organismo que o desconforto físico mas insignificante, a mais banal contrariedade são suficientes para nos causar amargura e crises de irritação.


            As sensações de felicidade, ao contrário, geralmente são fugazes, o aparecimento de uma doença grave, eventualmente letal, tem o condão de desestruturar personalidades, causar desespero, destruir esperanças, inviabilizar qualquer alegria futura. Mas comigo não foi isso que aconteceu, vencida a revolta do primeiro choque e as aflições iniciais, associadas ao medo do desconhecido tenho conseguido reagir e descoberto prazeres insuspeitáveis na rotina diária. Laços afetivos que de outra forma não seriam identificados ou renovados,  serenidade para enfrentar os contratempos e busca de sabedoria para enfrentar aquilo que não pode ser mudado.


            Quando entendi que podia morrer pensei: não tem cabimento desperdiçar o resto da vida, viverei assim: se alguma coisa me desagrada procuro avaliar qual a importância que ela tem para o universo. Descobri que é possível ser feliz até quando estou triste, e quanto a isso, não tenho medo de me enredar em clichês ou na vala comum das vãs filosofias. 

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 08 de dezembro de 2013, em Misturas Filosoficas

FELICIDADE OU MORTE

 

    O livro Felicidade ou Morte (2016) de Leandro Karnal e Clóvis de Barro Filho é resultado de um seminário gravado entre os dois autores. De linguagem fácil e [...]

LEIA MAIS
Postado dia 08 de dezembro de 2013, em Misturas Filosoficas

SOBRE BOM HUMOR

 

     Ontem conversei com uma amiga querida sobre o tempo que deveríamos ficar tristes pelas coisas da vida. Ela me disse que achava até que eu ficava pouco triste,[...]

LEIA MAIS
Postado dia 08 de dezembro de 2013, em Misturas Filosoficas

O MEU EU IDEAL

 

         Manter a geladeira sempre arrumada, usar pouco o celular nos fins de semana, ler menos notícia política e mais Cl[...]

LEIA MAIS
Postado dia 08 de dezembro de 2013, em Misturas Filosoficas

VOCÊ ESTÁ NO CONTROLE?

 

        Vendo uma dessas séries de TV que falam sobre o universo fica bem claro que o que nos distingue dos outros seres do nosso planeta é a noção do tempo e a[...]

LEIA MAIS