Misturas Filosoficas

O QUE VOCÊ FAZ PELO MUNDO? UMA ANÁLISE DO DOCUMETÁRIO I AM

 A vida de Tom Shadyac (diretor de filmes famosos como Ace Ventura) mudou completamente após um tombo de bicicleta e ele começou a sentir dores e a passar tanto tempo doente que se ver diante da morte e passa a pensar: como o mundo funciona? Quais os mecanismos de transformação social? Primeiro Tom faz essas perguntas a si próprio e depois a notáveis personalidades de cientistas, filantropos a líderes religiosos O filme questiona uma das principais diretrizes da sociedade atual de que a felicidade está diretamente relacionada ao dinheiro e ao consumo. E mostra que o exagerado poder econômico e o consumo desenfreado leva ao egoísmo, ao egocentrismo e a solidão. Com isso ele compreende que um dos maiores problemas do mundo é a super dependência do dinheiro e da economia.

 

mahatma-gandhi

            Tom Shadyac vai além e na conversa com cientistas que expõem seus estudos, questiona: “qual seria a natureza basilar da humanidade?”, da discussão surge a ideia de que os humanos têm a ideologia igual aos animais, pois o reino animal vive em constante competição, aplicando sempre a lei do mais forte. Os cientistas que o filme apresenta defendem que o coração comanda o cérebro, e que estamos conectados diretamente com a natureza. Será se a ciência está dando razão a filosofia? Sim! estamos todos ligados, fazemos parte do mesmo mundo, o ocidente agora desperta para um entendimento que as filosofias orientais já compreendem a muito tempo.

            Com base em exemplos de pessoas como: Gandhi, Martin Luther King e Francisco De Assis, Tom mostra que o amor é a única saída viável para a humanidade, pois é através do amor que salvamos uns aos outros. O mar é feito de pequenas gotas e as mudanças começam com pequenas atitudes, o poder de cada um estar nas pequenas atitudes, o mundo não é utopia, a pobreza e as guerras nos afetam mais do que possamos imaginar. I am é o tipo de filme que nos ajuda a refletir sobre nossas decisões de consumo, escolhas profissionais e interação com o outro. Afinal somos seres criados para competir? Ou para cooperar? No final, o documentário nos instiga a pensar: o que você faz pelo mundo?

Comentários