NARCISISMO DA NOSSA ERA

Postado dia 24 de setembro de 2014, em Misturas Filosoficas

Lembro perfeitamente que uma das primeiras histórias que me impressionou foi o mito grego de Narciso o belo rapaz que para ter vida longa não poderia se ver, quando ele se viu ficou tão enamorado de sua beleza que fundiu-se consigo mesmo e afogou-se na própria imagem. Esse mito nunca foi tão atual para pensar o contexto em que vivemos onde um dos maiores valores da nossa época é a exposição. Somos vítimas e reprodutores de sua lógica.


Vejo uma certa patologia no exacerbamento do narcisimo contemporâneo, indo além daquilo que Freud escreveu a 100 anos em seu texto Introdução ao Narcisismo.Muitos autores, dentre eles Bauman, o sociólogo, mostra que ascensão social está guiada necessariamente pelo crescimento material, os indivíduos tendem a se fechar em si mesmos fugindo da hostilidade do mundo e supervalorizando suas imagens para compensar seus vazios existências e se expondo cada vez mais intimamente em especial nas redes sociais.


O que interessa hoje é sair bem na foto, a aparência associada a exposição material nunca foi tão valorizada. Principalmente se o cenário for um por de sol cobiçado, uma praia paradisíaca, um restaurante da moda, uma loja badalada, um hotel caro. Quando não se tem imagem para comprovar, ou não há tempo para faze-lo se expõem a localização geográfica com precisão cirúrgica. Quando eu estudei fotografia meu professor mostrava um lado curioso, a fotografia expõe um certo que melancólico ao mostrar aquilo que já não é, o instante fugidio de uma coisa viva. Nesse sentido o auto retrato tão banalizado hoje (selfie) é o contrário porque seu objetivo não é o outro, mas a auto afirmação.  


            No entanto, não quero generalizar, longe de mim pensar que todos que fazem selfie  sofram de narcisimo patológico, o que se peca é pelo excesso. Mas, não posso deixar de perceber, nem de indicar que se trata de um sintoma do nosso tempo, de uma sociedade que investe cada vez mais na fugacidade e na banalidade de uma profusão de imagens mortas. Contudo, não deixo de pensar talvez esse modo de aparecer, seja o nosso novo modo de ser.

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 24 de setembro de 2014, em Misturas Filosoficas

FELICIDADE OU MORTE

 

    O livro Felicidade ou Morte (2016) de Leandro Karnal e Clóvis de Barro Filho é resultado de um seminário gravado entre os dois autores. De linguagem fácil e [...]

LEIA MAIS
Postado dia 24 de setembro de 2014, em Misturas Filosoficas

SOBRE BOM HUMOR

 

     Ontem conversei com uma amiga querida sobre o tempo que deveríamos ficar tristes pelas coisas da vida. Ela me disse que achava até que eu ficava pouco triste,[...]

LEIA MAIS
Postado dia 24 de setembro de 2014, em Misturas Filosoficas

O MEU EU IDEAL

 

         Manter a geladeira sempre arrumada, usar pouco o celular nos fins de semana, ler menos notícia política e mais Cl[...]

LEIA MAIS
Postado dia 24 de setembro de 2014, em Misturas Filosoficas

VOCÊ ESTÁ NO CONTROLE?

 

        Vendo uma dessas séries de TV que falam sobre o universo fica bem claro que o que nos distingue dos outros seres do nosso planeta é a noção do tempo e a[...]

LEIA MAIS