Misturas Filosoficas

A VAIDADE DE SER HUMANO DEMASIADO HUMANO

“Vaidade das vaidades tudo é vaidade”,  a frase do Eclesiastes, livro bíblico do antigo testamento, traduz bem a nossa época, bastante vaidosa. Acho que a vaidade é a mentira que contamos sobre nós mesmos, para não encararmos a nossa verdade. Falar de vaidade exige sinceridade e auto crítica, não há como falar dessa condição tão humana sem falar de si mesmo. Somos inerentemente vaidosos e ao que parece vaidade maior ainda seria se orgulhar de não ter vaidades. A vaidade não se refere apenas a beleza, a aparência, ela é uma máscara ela é o véu sobre o vazio.

A vaidade é cada vez mais presente nesse momento em que vivemos a cultura do espetáculo onde tudo tem que ser grandioso, onde tudo deve chamar atenção. Vivemos em uma época que as pessoas tem blogs com a única finalidade de falarem de si próprias, época em que as pessoas dão informações sobre elas mesmas como sendo algo imprescindível. Cada vez mais se cuida do corpo e da roupa o investimento que as pessoas fazem em cosméticos por exemplo, nunca foi tão grande. O interessante que as coisas da vaidade duram pouco, isso pode ser visto no consumo, logo que uma pessoa consome uma bolsa cara aumenta sua necessidade por outra porque aquela sua necessidade anterior já se esgotou.

A vaidade é uma espécie de bola de sabão faz aquele show todo e depois se esvazia e o indivíduo vai precisar sempre de outra bola e esse movimento é infinito. Então tudo que é sem fim não é fonte de felicidade porque não sacia nunca. A vaidade necessita do aplauso e para eu ser aplaudido tenho que está de acordo com os padrões  da própria sociedade que me observa. Todo indivíduo muito preocupado com a aparência está preocupado com o que os outros vão falar. A vaidade nos enfeitiça e por isso nos iguala.

A vaidade é tão difícil de ser domada que a medida em que progredimos (financeiramente principalmente) vai se tornando cada vez mais difícil encontrar uma certa humildade e o retorno a ideia da tradição religiosa de que ao pó se voltará, que somos insignificantes do ponto de vista cósmico, e que não adianta ficar tão metidos porque nós vamos morrer do mesmo jeito. Assim vamos convivendo na eterna luta com nós mesmos em administrar o nosso nível de vaidade dentro de algo que possa parecer equilibrado, imagino que se quisermos ser saudáveis mentalmente deveremos tirar o público de dentro de nossas cabeças.


Domar a vaidade a um nível aceitável nos afasta da ideia de sermos deuses capazes de carregar a multidão, de agradar a todos. Desmistificando o hábito que as pessoas tem que ouvir e aceitar as nossas verdades. Reitero a ideia pela busca do equilíbrio que é a base das nossas vidas.

Comentários