Galeria de Arte

A FOTOGRAFIA REALISTA DE SEBASTIÃO SALGADO

            Estava vendo uma edição antiga de uma revista de arte e encontrei uma matéria sobre o Sebastião Salgado fotógrafo documentarista  mineiro de notável reconhecimento internacional, e pensei como a sua arte em preto e branco retrata os sofrimentos do mundo. A produção da imagem fotográfica sempre implica que o ato fotografado constitui um julgamento da realidade apresentada. Sendo assim a produção de Sebastião Salgado certamente tem uma conotação política.
 
 
            Suas imagens produzem efeitos sociais e a questão do sentir como um dos efeitos produzidos pela fotografia, torna-se grande, porque não é o sentir individual, mas coletivo, e o visual que nos afeta está relacionado ao fato de que o mundo social é a representação que os grupos fazem deles mesmos. Podemos notar em sua obra fotográfica a presença de marcas visuais fortes e insistentes. Acredito que ele escolheu com seu trabalho, perguntas difíceis de serem respondidas. Embora se proponha desvendar os danos causados pela miséria do mundo, sua visão é ampla e está longe de ser redutora, quando mostra de forma extraordinária pessoas que lutam para manter suas vidas.

 
            Suas fotos dão nobreza e respeito a quem está sendo fotografado, e obedecem uma série de técnicas fotográficas como: focalização em contraluz, contraste claro e escuro, profundidade de campo, a granulação a variação de texturas contribuem para dá a aparência estético-artística ao seu trabalho. Isso engrandece e volta o olhar para as problemáticas políticas que se encontram as pessoas fotografadas. Seu gênero é o de fotografia documental, o que nos remete de imediato a finalidade de denúncia social, mas alguns gestos, olhares e poses dos fotografados têm um que de estereotipados, a apresentação de elementos simbólicos que caracterizem etnia, profissão e condição social atestam isso.
 
 
            Mas sua obra é muito grande, e seria simplista reduzi-la a qualquer pequeno elemento, o que ele busca é mistura de justiça social, sensibilização, solidariedade, reconhecimento social entre outros elementos. Sua política passa pela compaixão, mas não para aí, ele vai em direção do reconhecimento social, reconhece, às pessoas representadas e à sua dignidade, o direito ao respeito. E esse reconhecimento não é somente possível, mas, em certo sentido, torna-se obrigatório, pois Salgado não retrata a condição de pobreza de maneira humilhante. Não humilhar as pessoas é, a primeira condição para a edificação de uma sociedade decente, e somente uma sociedade decente em espírito pode constituir uma sociedade igualitária no verdadeiro sentido político do termo.

Comentários