Volver DE ALMODÓVAR

Postado dia 07 de janeiro de 2014, em A Magia do Cinema

Sempre gostei de Almodóvar, seja pelos temas, o uso predominante da cor vermelha e principalmente pela estética diferente do que estamos acostumados dentro dos padrões americanos. Vi Volver em 2006 no seu lançamento no cinema, revi agora com uma visão mais madura, para ver quais as minhas impressões. A produção marca uma série de retornos para o cineasta, ao seio materno, a infância, ao universo feminino, ao ambiente da parte de Barcelona onde nasceu, além da atriz Carmen Maura, fetiche do início de sua carreira.


O filme fala de três mulheres, Raimunda (Penélope Cruz) que tem o marido assassinado por sua filha após a jovem sofrer uma tentativa de violência sexual, sua irmã Sole que ganha a vida como cabelereira e sua mãe Irene (Carmen Maura), que, depois de dada como morta surge como uma aparição, primeiro para Sole e depois para Raimunda que tenta se reconciliar por erros do passado.


Almodóvar é tão importante para o mundo cinematográfico que se transformou num adjetivo, nesse sentido, vejo-o perto de grandes como Felini e Hitchcock. Para o cinema atual ele representa o mesmo sentido que esses outros cineastas incorporarão no passado: um autor para as massas com idiossincrasias assimiláveis pelo grande público, um realizador que frequenta com a mesma desenvoltura o Oscar americano e a Cinemateca francesa.


O que mais gosto em Volver é o casamento do fantástico com o cotidiano, é marca característica de sua obra filmar com graça e naturalidade as situações e os personagens mais absurdos, isso pode ser visto em Irene que ao ser considerada morta volta a sua terra natal, para resolver questões pendentes. Até a cena em que Raimunda limpa o sangue do marido morto é filmada de forma magistral. Volver faz bem aos olhos e alimenta a magia cinematográfica, filme de primeira e que valeu a pena ser revisto. 

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 07 de janeiro de 2014, em A Magia do Cinema

A UNIVERSALIDADE DA CLIENTELA DE NICE DA SILVEIRA

 

         Ver o filme Nice no coração da loucura (2016) é um alento para a alma e o que existe de mais profundo no humanismo, o campo da saúde mental. Nice [...]

LEIA MAIS
Postado dia 07 de janeiro de 2014, em A Magia do Cinema

THE CROWN, RESENHA

 

The Crown (2016) produzida pela Netflix foi uma boa surpresa para mim nesses últimos meses do ano. A série se propõe a responder a pergunta: quem é Elisabeth, essa figu[...]

LEIA MAIS
Postado dia 07 de janeiro de 2014, em A Magia do Cinema

AQUARIUS É UM FILME QUE PRESERVA A MEMÓRIA

     Aquarius (2016) do diretor Kléber Mendonça é antes de tudo um filme sobre a memória sem saudosismo ou qualquer outro tom piegas.[...]

LEIA MAIS
Postado dia 07 de janeiro de 2014, em A Magia do Cinema

A SEGUNDA TEMPORADA DE NARCOS É MELHOR AINDA

 

         A segunda temporada de “Narcos”, da Netflix com o ator Wagner Moura no papel do traficante Pablo Escobar com dire[...]

LEIA MAIS