PULP FICTION: TEMPOS DE VIOLÊNCIA

Postado dia 31 de julho de 2016, em A Magia do Cinema

    Pulp Fiction (1994) de Quentin Tarantino é o tipo de filme que gosto de quase tudo, dos diálogos, dos atores, da música e sobretudo, da irreverência sarcástica. São os diálogos que conduzem o filme. O boxeador profissional Butch (Bruce William) acaba de matar um homem no ringue e vai para o hotel onde está sua namorada, ele tem que fugir dos pistoleiros (Samuel L. Jackson e Jonh Travolta). Nesse momento de desespero, o diálogo entre Butch e a namorada não é óbvio, ela fala de coisas inusitadas como a vontade de ter uma barriga.

Title: PULP FICTION ¥ Pers: TRAVOLTA, JOHN / JACKSON, SAMUEL L. ¥ Year: 1994 ¥ Dir: TARANTINO, QUENTIN ¥ Ref: PUL004AK ¥ Credit: [ THE KOBAL COLLECTION / MIRAMAX/BUENA VISTA ]

    Os diálogos preparam para as cenas vindouras, como a discussão banal sobre um sanduiche de queijo, para falar de como Marcelus, o gângster, atirou num homem do quarto andar porque ele massageou os pés de sua mulher. Essa é a preparação que Tarantino faz para quando Vicent (Jonh Travolta), leva Mia (Uma Thurman), para sair e ela acidentalmente sofre uma overdose e ressuscita no fornecedor de drogas de Vicent com uma injeção de adrenalina no coração. Imaginei que essa cena seria repulsiva, mas na verdade não é o momento da agulha entrando é cortado e a atenção é desviada para os espectadores, uma cena grotesca acaba virando comédia.

     O que mais gosto é que Tarantino usa o tempo todo, planos gerais abertos, surpresas, cortes, e o contexto do diálogo para o filme parecer menos violento do que ele realmente é. Ele brinca com a cronologia, o assalto ao restaurante inicia e fecha o filme, e outras linhas de história entra em sai sem nenhum sentido cronológico, tornando a obra a temporal. A narrativa não linear das três histórias, embora diferentes chegam a um desfecho comum.

<UMA thurmam

      Para mim, a grandeza do filme está nos personagens originais (essencialmente cômicos), uma série de eventos vivos e meio fantasiosos, e fundamentalmente pelo diálogo que é a base de todo o filme. Os personagens de Pulp Fiction estão sempre falando e são sempre interessantes, engraçados, assustadores ou audaciosos. Digo sem medo de errar, filme de violência que mesmo carregado de tensão consegue passar uma diversão incrível como na cena em que Jonh Travolta e Uma Thurman dançam no concurso de Twister. Diversão cinematográfica das melhores.

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 31 de julho de 2016, em A Magia do Cinema

A UNIVERSALIDADE DA CLIENTELA DE NICE DA SILVEIRA

 

         Ver o filme Nice no coração da loucura (2016) é um alento para a alma e o que existe de mais profundo no humanismo, o campo da saúde mental. Nice [...]

LEIA MAIS
Postado dia 31 de julho de 2016, em A Magia do Cinema

THE CROWN, RESENHA

 

The Crown (2016) produzida pela Netflix foi uma boa surpresa para mim nesses últimos meses do ano. A série se propõe a responder a pergunta: quem é Elisabeth, essa figu[...]

LEIA MAIS
Postado dia 31 de julho de 2016, em A Magia do Cinema

AQUARIUS É UM FILME QUE PRESERVA A MEMÓRIA

     Aquarius (2016) do diretor Kléber Mendonça é antes de tudo um filme sobre a memória sem saudosismo ou qualquer outro tom piegas.[...]

LEIA MAIS
Postado dia 31 de julho de 2016, em A Magia do Cinema

A SEGUNDA TEMPORADA DE NARCOS É MELHOR AINDA

 

         A segunda temporada de “Narcos”, da Netflix com o ator Wagner Moura no papel do traficante Pablo Escobar com dire[...]

LEIA MAIS