A Magia do Cinema

PORQUE VER JANELA INDISCRETA


Ver os filmes de Hitchcock por se só já trazem um alto grau de satisfação cinematográfica se for protagonizado por Grace Kelly então, melhor ainda. Janela Indiscreta (1954) faz parte daquela lista de filme que deveria ser imprescindível de ver, de início impressiona como um cenário simples se transforma ao longo da trama em um ambiente de tensão, suspense e medo.


A história gira em torno do fotógrafo profissional acidentado Jeff interpretado por James Stuart, influenciado pelo ócio do dia passa a observar os vizinhos de sua janela até se convencer que um deles o vendedor de bijuterias matou a esposa enferma, dessa forma tenta provar isso para sua namorada Lisa (Grace Kelly) e um amigo detetive.


Somos no filme mais voyeurs do que em qualquer outro que possamos imaginar, como espectadores temos a exata visão do que o protagonista está vendo através do seu olhar, com a câmera centrada de forma subjetiva, é a temática da vida alheia que fascina e impressiona com diversos tipos e sub tramas dos vizinhos do protagonista. Temos a bailarina, a moça solitária, o pianista, o casal recém casado, o casal com o cachorro, a artista plástica e o vendedor suspeito do assassinato.


O filme se passa lentamente, e as suspeitas de Jeff parecem infundadas até quando um grito surpreende com a morte do cachorro, indicando que algo tem fundamento. Janela Indiscreta apresenta elementos típicos da obra de Hitchcock, como a fotografia sequenciada, o uso da tele objetiva pelo personagem com luz somente nos olhos do assassino deixando-os mais ameaçadores, além das sombras que desenrolam as cenas finais.


Penso que esse filme traduz o que é a experiência do cinema para todos nós ao que parece quanto mais ele observa a vida dos vizinhos, mais se identifica com a sua própria vida, quando contesta os benefícios do casamento, desse modo, imagino quais as medidas que utilizamos na nossa vida, observando a vida dos outros? Para mim a grande mensagem do filme é que o  cinema é realmente uma janela não para os outros, mas para nós mesmos. 

Comentários