O OVO DA SERPENTE DE IGMAR BERGMAN

Postado dia 30 de janeiro de 2016, em A Magia do Cinema

      Em tempos de volta ao conservadorismo e a intolerância por parte de setores da sociedade brasileira resolvi rever O Ovo da Serpente (1977) do magistral Igmar Bergman. Eu tinha visto esse filme na época da faculdade de Serviço Social e hoje, tenho uma visão mais apurada da esquecida obra. A obra vai além dos conflitos individuais, analisando principalmente os conflitos coletivos da sociedade alemã pós Primeira Guerra Mundial que resultou no avanço do nazismo. É o período da República de Weimar, uma sociedade devastada e doente que vê nascer a semente da intolerância nazista.

      O Ovo da Serpente é a história de Abel Rosenberg (David Carradine), um trapezista judeu que vê sua vida sair dos eixos a partir do suicídio do irmão, sua vida se resume a lutar pela sobrevivência ao lado de sua ex cunhada Manuela (Liv Ullman) uma cantora de cabaré. O filme é muito elaborado, reproduz com riqueza de detalhe o mundo sangrento, paranoico e instável que era a Alemanha em 1923, ano em que a história se passa. O desemprego e a fome estão em toda parte, em uma cena chocante, vemos pessoas cortando a cabeça de um cavalo morto para alimentar-se.

     Acompanhamos também a desvalorização da moeda local, o marco que perde qualquer valor impresso. Os rostos das pessoas expressam medo. As ações são desmedidas, o desalento acompanha a todos numa sociedade que se decompõe. O ponto central da história é a revelação das experiências com seres humanos numa obscura clínica que Abel vai trabalhar com Manuela. O antissemitismo se fortalece na fraca republica. Em pequenos filmes, o cientista alemão, mostra a Abel as experiências com os seres humanos. Anunciando a nova e terrível era que se aproximava, dez anos antes dos nazistas subirem ao poder.

      O filme é espantoso pelo realismo em que os acontecimentos são reconstruídos. Abel se perde na paranoica loucura da metrópole, num mundo cinza onde a chuva nunca para, é um exemplo de como o cinema é capaz de nos transportar para o sentimento de uma época, mostrando que o nazismo, nasce no seio da sociedade alemã. O discurso do cientista Hans Vergus no filme é profético e serve de exemplo para as intolerâncias e preconceitos humanos. Qualquer um que fizer o mínimo esforço poderá ver o que nos espera no futuro. É como um ovo de serpente. Através das membranas finas pode-se distinguir o réptil perfeitamente formado.

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 30 de janeiro de 2016, em A Magia do Cinema

A UNIVERSALIDADE DA CLIENTELA DE NICE DA SILVEIRA

 

         Ver o filme Nice no coração da loucura (2016) é um alento para a alma e o que existe de mais profundo no humanismo, o campo da saúde mental. Nice [...]

LEIA MAIS
Postado dia 30 de janeiro de 2016, em A Magia do Cinema

THE CROWN, RESENHA

 

The Crown (2016) produzida pela Netflix foi uma boa surpresa para mim nesses últimos meses do ano. A série se propõe a responder a pergunta: quem é Elisabeth, essa figu[...]

LEIA MAIS
Postado dia 30 de janeiro de 2016, em A Magia do Cinema

AQUARIUS É UM FILME QUE PRESERVA A MEMÓRIA

     Aquarius (2016) do diretor Kléber Mendonça é antes de tudo um filme sobre a memória sem saudosismo ou qualquer outro tom piegas.[...]

LEIA MAIS
Postado dia 30 de janeiro de 2016, em A Magia do Cinema

A SEGUNDA TEMPORADA DE NARCOS É MELHOR AINDA

 

         A segunda temporada de “Narcos”, da Netflix com o ator Wagner Moura no papel do traficante Pablo Escobar com dire[...]

LEIA MAIS