O NASCIMENTO DAS ESTRELAS DE CINEMA

Postado dia 25 de fevereiro de 2014, em A Magia do Cinema

Mary Pinckford.
A estrela foi idealizada pelos estudos hollywoodianos porque seria a constituição de sua base econômica, no início do século XX surgiram revistas especializadas que alimentavam a mistificação. Caçadores de talento iam buscar suas presas em bastidores de teatros, numa dessas buscas encontraram a atriz Sara Bernhardt, mas a primeira grande estrela do cinema, reconhecida pela maioria dos estudiosos e críticos do assunto foi mesmo Mary Pinckford.

Gloria Swanson
Mas Theda Bara, Marin Davis, Gloria Swanson, Louise Brooks, marcaram o período de 1918 a 1928. Elas eram lindas e tinham personalidade forte. A estrela remetia a vários arquétipos: a virgem inocente, a glamorosa, a prostituta, a divina, a mulher fatal. Com Rodolfo Valentino as americanas descobriram o latin lover. No dia de sua morte 12 mulheres se suicidaram.

Rodolfo Valentino.
No início dos anos 1920 os filmes eram construídos em torno das estrelas. Fechadas em uma bolha falsamente paradisíaca levavam um vida de caprichos. No início de 1930, o aspecto psicológico da trama narrativa ganhou terreno. As estrelas se adaptaram alterando entre o excepcional e o ordinário. Ao mesmo tempo, o fenômeno de projeção de identificação ficou mais intenso. Com os anos 1940, nota-se mais elasticidade na idade das estrelas. Não era raro chegar ao estrelato com 40 anos quando se era homem. Prova disso foi Clarck Gable e Humphrey Bogart homens maduros.

Clarck Gable.

Nos anos 1950, os estúdios romperam com o sistema de escuderia de atores. A presença de Ingrid Bergman, Ginger Rogers ou Betty Davis, não era muito garantia de sucesso de um filme. Os atores passaram a ser encarregados do seu próprio destino o que os tornava mais vulneráveis. Os supostos suicídios de Judy Garland e Mary Monroe anunciaram o fim do star system. No entanto as estrelas de cinema continuam fascinando e suscitando mistério e fascínio ao longo do tempo.

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 25 de fevereiro de 2014, em A Magia do Cinema

A UNIVERSALIDADE DA CLIENTELA DE NICE DA SILVEIRA

 

         Ver o filme Nice no coração da loucura (2016) é um alento para a alma e o que existe de mais profundo no humanismo, o campo da saúde mental. Nice [...]

LEIA MAIS
Postado dia 25 de fevereiro de 2014, em A Magia do Cinema

THE CROWN, RESENHA

 

The Crown (2016) produzida pela Netflix foi uma boa surpresa para mim nesses últimos meses do ano. A série se propõe a responder a pergunta: quem é Elisabeth, essa figu[...]

LEIA MAIS
Postado dia 25 de fevereiro de 2014, em A Magia do Cinema

AQUARIUS É UM FILME QUE PRESERVA A MEMÓRIA

     Aquarius (2016) do diretor Kléber Mendonça é antes de tudo um filme sobre a memória sem saudosismo ou qualquer outro tom piegas.[...]

LEIA MAIS
Postado dia 25 de fevereiro de 2014, em A Magia do Cinema

A SEGUNDA TEMPORADA DE NARCOS É MELHOR AINDA

 

         A segunda temporada de “Narcos”, da Netflix com o ator Wagner Moura no papel do traficante Pablo Escobar com dire[...]

LEIA MAIS