LADRÃO DE CASACA: O CHARMOSO FILME DE HITCHCOCK

Postado dia 12 de julho de 2012, em A Magia do Cinema

                Sou assumidamente fã de filmes antigos, particularmente os filmes da década de 1950, considerada a época de ouro do cinema de Hollywood. Embora não figure nas listas das obras primas de Alfred Hitchcock Ladrão de Casaca, de 1955 é um excelente filme, com várias das marcas registradas do mestre do suspense. Mas uma vez, Hitchcock vai se debruçar com um dos seus temas preferidos, o de um homem sendo procurado por um crime que não cometeu. Nesse caso, o homem é John Robie um antigo ladrão de joias americano conhecido como The Cat, que vive sossegado em sua bela mansão na Riviera Francesa até que uma nova onda de roubos de joias começa a tomar conta da região e as suspeitas recaem sobre ele.


      Logo de início temos uma perseguição sobre as belas curvas sinuosas da Côte D’Azur, as cenas tornam-se ainda mais fantásticas graças às tomadas aéreas feitas de um helicóptero, o que não era comum para a época. Hitchcock também tempera o filme com outras características que são típicas de sua obra, como ele próprio aparecer no filme, ou quando fala de receitas e comidas.


            Outro aspecto interessante é o romance vivido por Kary Grant e Grace Kelly, que mesmo num filme de suspense assume importante papel. Francis sua personagem ocupa boa parte da trama, desde que ela aparece pela primeira vez em cena é impossível não ficar hipnotizado com seu charme e elegância. A filmagem no formato Vista Vision equivalente ao Cinemascope, figurinos impecáveis desenhados por Edith Head e os diálogos cheios de malícia entre ela e Kary Grant, marcaram a sua  última parceria com Hitchcock. Logo após ela se tornaria Princesa de Mônaco e abandonaria o cinema.



            Quis o destino que Grace Kelly morresse em 1982 na mesma estrada em que aparece dirigindo o seu carro conversível em algumas cenas do filme. A minha sorte de ter a oportunidade de conhecer e procurar entender o filme, é o grande trunfo do cinema que tem a capacidade de imortalizar ícones no auge de seu talento e beleza, e possibilitar que outras gerações conheçam o que foi produzido. Pelo charme da Riviera Francesa e dos atores, do romantismo da trama e da expectativa que Hitchcock provocou em mim para decifrar o enigma do filme é que o tenho na minha lista de melhores do cinema.



             

Comentários

AÍLA ALMEIDA

Leitora compulsiva, levo a vida a assistir filmes, escrever textos que me acalma e fazer bolos. Queria saber desenhar e costurar. Quero passar um tempo em Paris, pular de para quedas, criar mais um cachorro. Queria se poliglota, estudo inglês, francês e italiano a anos. Ao que tudo indica nasci no século errado.

Postado dia 12 de julho de 2012, em A Magia do Cinema

A UNIVERSALIDADE DA CLIENTELA DE NICE DA SILVEIRA

 

         Ver o filme Nice no coração da loucura (2016) é um alento para a alma e o que existe de mais profundo no humanismo, o campo da saúde mental. Nice [...]

LEIA MAIS
Postado dia 12 de julho de 2012, em A Magia do Cinema

THE CROWN, RESENHA

 

The Crown (2016) produzida pela Netflix foi uma boa surpresa para mim nesses últimos meses do ano. A série se propõe a responder a pergunta: quem é Elisabeth, essa figu[...]

LEIA MAIS
Postado dia 12 de julho de 2012, em A Magia do Cinema

AQUARIUS É UM FILME QUE PRESERVA A MEMÓRIA

     Aquarius (2016) do diretor Kléber Mendonça é antes de tudo um filme sobre a memória sem saudosismo ou qualquer outro tom piegas.[...]

LEIA MAIS
Postado dia 12 de julho de 2012, em A Magia do Cinema

A SEGUNDA TEMPORADA DE NARCOS É MELHOR AINDA

 

         A segunda temporada de “Narcos”, da Netflix com o ator Wagner Moura no papel do traficante Pablo Escobar com dire[...]

LEIA MAIS